A United acaba de enviar um email para seus membros detalhando mudanças no seu programa MileagePlus. Alguns blogueiros americanos já divulgaram a notícia e fizeram uma análise rasa e fácil de forma a criticar a empresa pelas mudanças.

Mas vamos analisar ao fundo o que de fato impactará para o membro do MileagePlus, especialmente o brasileiro, já que esse é o público direcionado daqui desse site. Vejamos as mudanças:

1 – A partir de 15 de Novembro de 2019 não haverá mais tabela de milhas para voos operados pela United;

2 – Voos domésticos nos EUA que antes custavam de 10 a 12.500 milhas estarão disponíveis por 5 mil milhas a partir de já;

3 – Obviamente os valores dos prêmios irão aumentar significativamente após 15 de Novembro de 2019, uma vez que não haverá mais tabela, logo não haverá mais limite, somente nos voos da United; e

4 – A taxa de 75 dólares de reserva de urgência (21 dias antes do voo) foi removida.

Vamos primeiro a análise fácil, itens 2 e 4 são alterações boas e muito bem vindas, e não se pode reclamar por diminuir valores de prêmio e isentar antes uma taxa que era cobrada quando se fazia uma reserva com 21 dias de antecedência.

Agora vamos a parte difícil e complexa, porque a extinção de uma tabela não é algo tão simples assim. Essa mudança é prejudicial aos membros? SIM, sem sombra de dúvidas. Está muito claro que a maioria dos valores de prêmios de voos operados pela United irão aumentar significativamente.

Observando somente por esta via é muito fácil criticar a empresa e dizer que a mudança é apocalíptica como muitos estão divulgando, inclusive um colega do Boarding Area acaba de divulgar tal notícia como se fosse o fim do mundo.

Do ponto de vista operacional é importante verificar que para o público brasileiro tais mudanças terão impacto favorável ou quase nulo. Será que o Mestre das Milhas enlouqueceu? Pois a tabela será extinta. Verdade, certamente os valores irão aumentar, mas não aqueles que de fato nos interessam.

As milhas da United são muito valiosas, porém não para os seus próprios voos, mas sim os de suas parceiras na Star Alliance, onde é possível resgatar 65 mil milhas para um voo entre Ásia e Austrália em Primeira Classe ou 50 mil milhas em classe executiva ou ainda valores menores intra-Ásia, intra-Europa, e intra-Pacífico.

Mas como fazer com os prêmios Brasil – EUA? Certamente esses sofrerão aumento, sim, todavia esses prêmios são bem mais em conta com a TAP. Nunca recomendamos resgatar as milhas da United para utilizar na rota Brasil – EUA e sim as milhas do Miles&Go que cobram apenas 50 mil o trecho, que pode ser maximizado via promoção de bônus na transferência. Logo com o aumento de valor a United certamente terá mais disponibilidade de awards para abocanhar mais milhas, porém será a mesma da TAP.

Atualmente para o público brasileiro só é possível acumular milhas da United ou voando ou trocando pontos livelo com deságio de 50% (péssimo negócio), já que não temos nenhum cartão de crédito que envia diretamente para o programa, diferentemente do que acontece com a TAP, que tem parceria com quase todos os programas de cartão do mercado brasileiro.

O programa da United é excelente para brasileiros, principalmente para acumular nível elite, já que não exige gasto mínimo, e com 1 milhão de milhas voadas conseguir o Star Alliance GOLD para si e um indicado para o resto da vida.

Tal alteração anunciada só vem a beneficiar o mercado brasileiro, pois com valores mais elevados de milhas podem haver mais disponibilidade de assento e com isso baixar os preços das tarifas tanto classe premium como em classe econômica (Vide que nos últimos 3 meses tivemos São Francisco, Los Angeles, Las Vegas, Boston, Nova York, Miami e Orlando a menos de 5 mil reais em classe executiva ida e volta).

Agora, é preciso dar o braço a torcer que essa notícia de hoje é péssima para um nicho do programa, que são aqueles que resgatam trechos internacionais na própria United, o que consideramos um péssimo uso das milhas daquele programa. Esses serão sim muito prejudicados, mas que não é o caso do público brasileiro, pois esse último tem a opção de transferência para a TAP na emissão internacional de forma mais facilitada, lembrando que a disponibilidade da TAP é a mesma da United.

Antes de encerrar esse artigo, para ficar bem claro, o programa da United ficará pior em função dessa mudança, isso é indiscutível, mas o fato de um programa ficar pior não significa que o mesmo não poderá ser usado de outras formas, e que as mudanças podem ter impactos nulos ou até mesmo favoráveis com a piora do programa em determinados grupos de usuários, como por exemplo o pessoal do mercado brasileiro, ou aqueles que utilizam as milhas United primordialmente para voos na Star Alliance.

Por isso que sempre afirmamos aqui que não existe melhor programa de fidelidade, e sim aquele que se adequa mais ao seu perfil, e vir aqui escrever simplesmente que ocorrerá uma mudança ruim e que será o fim do mundo é uma análise muito superficial, fácil e sem conteúdo qualitativo nenhum.