Todos acompanharam a promoção da GOL a preço de Brahma, que teve uma repercussão muito negativa no ambiente daqueles que tentaram participar da promoção. Hoje, dia 26 de Junho de 2019 o Procon divulgou que considera oficialmente “abusividade na campanha”, pois existem provas e evidências de que as passagens não foram comercializadas para o consumidor final.

Essa informação saiu em vários veículos da grande mídia e você pode ler aqui no O GLOBO. De acordo com informação do Procon-SP, mais da metade das passagens vendidas pela GOL na promoção em questão foram vendidas para agências de viagem.

Segundo informações prestadas pela GOL Linhas Aéreas, foram vendias 167 passagens nessa promoção, sendo que 89 delas (57%) estavam atreladas a agências de viagem ou turismo. Dessas 32 foram para a Viajanet e 24 para a CVC.

O Procon-SP considera que houve “abusividade da promoção” de passagens, já que nem todas foram comercializadas para o consumidor final, e que esses foram prejudicados pois o site estava fora do ar para a maioria deles, e as agências tem recursos além do site oficial para adquirir as passagens.

O órgão ainda afirmou que causou estranheza o fato de a empresa informar que disponibilizou 140 passagens, todavia vendeu 167 em menos de 1 hora. Ainda de acordo com o órgão, a equipe de fiscalização irá conduzir uma apuração mais aprofundada e adotará medidas e sanções com base no CDC.

Como já havíamos dito aqui, nós parabenizamos a GOL pela promoção, porém criticamos a forma de como a mesma foi conduzida. Foi completamente não transparente e principalmente não foi de forma isonômica onde todos poderiam ter igual chance a comprar uma passagem, já que houve problemas técnicos.

Vale lembrar que no comunicado à imprensa a empresa divulgou justamente que as passagens promocionais seriam comercializadas EXCLUSIVAMENTE no website da GOL, o que poderia inclusive servir de base para que essa promoção fosse anulada.

Ninguém aqui está criticando a empresa porque não conseguiu comprar a passagem, que isso fique bem claro, mas devido à falta de transparência com o consumidor no decorrer da mesma. Como sempre o espaço aqui está aberto caso a empresa deseja se pronunciar.

Agradeço ao Marcio Correa pelo farto material de apoio, e ao Henry por ser o “profeta” da promoção, pois ele já tinha total ciência de que algo do tipo ocorreria em função de sua expertise em relação a empresa.