E cada vez mais num passo para a insanidade a American segue a United e aumenta o gasto mínimo para a qualificação da sua categoria elite máxima, o Executive Platinum, para 15 mil dólares a partir de 2019.

Ou seja, caso você queira se qualificar no próximo ano deverá desembolsar no mínimo 15 mil dólares, e voar 100 mil milhas ou voar 120 trechos. A insanidade maior é exigir esse gasto mínimo de residentes fora dos EUA.

A American é a única empresa americana que exige o gasto mínimo para clientes com residência fora dos Estados Unidos, o que atualmente para nós, Brasileiros, com a cotação atual fica algo em torno de 56 mil reais.

Com a falência dos programas nacionais em termos de benefícios e prêmios, o AAdvantage continua sendo um bom programa, porém com esse entrave de EQD. Lembrando que você consegue contornar essa exigência ao voar parceiros, mas mesmo assim ainda requer um gasto maior.

Além disso quem voar 150 mil, 200 mil, e 250 mil poderá escolher uma recompensa na lista apresentada, que é basicamente 2 SWUs ou 40 mil milhas ou status de presente para alguém. Lembramos que as milhas podem ser renovadas e o SWU não, então a escolha do SWU seria interessante somente mediante uso próximo.

A American está fazendo isso porque o volume de viajantes abandonando o programa é grande, principalmente depois de alcançado os 200 mil pontos de qualificação, uma vez que a maioria preferia utilizar outra cia e fazer um segundo status do que voar na AA e não ganhar nada a mais.

A empresa também atualizou o acúmulo de milhas em algumas parceiras e nas tarifas especiais de consolidadores, o que ficou pior para quem viaja em econômica, pois diminui o ganho. Você pode conferir as mudanças clicando aqui, mas coloque a página como inglês e Estados Unidos, pois como essa é uma notícia em primeira mão, não deu tempo de sair em português ainda.

O que você achou dessa mudança? Pretende correr atrás do status máximo da American no próximo ano?